04 julho, 2010

Quando partiste...

Quando partiste




Quando partiste levaste o chão
O céu as estrelas e o mar
Envolto no abandono
A que me deixaste na rua deserta
As luzes apagaram-se
As aves silenciaram o seu canto
As árvores fecharam as suas copas
Bateste com a porta
Deixaste o meu peito a sangrar
Perdida num olhar que já não era meu



Tanto tempo passou nem sei de cor
O céu e as estrelas voltaram a brilhar
O chão e o mar ficaram contigo
As aves voltaram a cantar ao amanhecer
As árvores voltaram a balancear
Ao sabor do vento norte
As ruas encheram-se de gente
Indiferentes à tua ausência
No meu peito ainda bate a saudade
Nos contornos de um rosto que sei de cor
De um perfume que ficou entranhado em mim
Nem sei se para ti ainda sou passado
Apago cada desejo de te ver
Como um fruto proíbido de mim
Eu já não sou tua tu já não és meu
Resta a saudade que ainda bate no meu peito
As memórias de um tempo por apagar
Quando partiste deixaste o vazio
O vazio que vai e vem solto no vento
Que sopra na agitação de um peito
Ferido pela saudade e abandono.


um abraço tulipa

21 comentários:

Joana disse...

Identifico-me.

Pelo menos na primeira parte. Mas com a segunda tenho esperança de identificar-me o mais rápido possível.

Um abraço

tulipa disse...

Joana tentei entrar no seu blog ou página...
Não escrevi este poema por me identificar ou não com ele , surgiu devido a uma música que ouvi...
Claro que já todos tivemos desgostos de amor e que o tempo cura tudo, ou quse...mas neste momento não é esse o meu caminho.
Espero que chegue à segunda parte rapidamente.
Um abraço Tulipa

Luís Coelho disse...

Aqui o fado fez ouvir a sua voz.
O desgosto da partida, a mágoa que fica a provocar dor.
Há sons, perfumes e encantos que jamais se repetem....esperar ...?
A saudade por vezes sabe muito bem e reconforta.
Beijinhos

Sonhadora disse...

Minha querida
Um belo poema de mágoa e desalento, como as tuas palavras falam do que sinto.

Resta a saudade que ainda bate no meu peito
As memórias de um tempo por apagar
Quando partiste deixaste o vazio
O vazio que vai e vem solto no vento
Que sopra na agitação de um peito
Ferido pela saudade e abandono.

Muito belo

Beijinhos
Sonhadora

Valéria Gomes disse...

Belo poema!!!

Beijos!!!

Lilá(s) disse...

Que maravilha de poema tulipa! pura e simplesmente adorei!
Bjs

RETIRO do ÉDEN disse...

Tulipa,
Uma beleza de sentimento contido que saltou fora da gaiola.
Para curar esse mal...ninguém merece tanto amor, desde que nos tenham abandonado e deixado neste estado...também nunca pensemos que o outro é nosso...somente...nosso, acredito que todos nós temos algo sobre as nossas cabeças...especialmente nós mulheres...e actualmente também já há mulheres a repetirem o que antigamente era mais frequente nos homens.
Vai em frente e enfrenta o leão sem medos de ouvir os pássaros, os ventos, pois quem não merece não tem de estar em nossos corações...a não ser no PERDÃO.
O PERDÂO esse é o sentimento mais importante, o essencial em casos destes.
Um forte, mas forte mesmo abraço para ti.
Fiquemos com ELE sempre.
Mer

Apenas eu disse...

lindo o teu poema Tulipa.
por isso eu não gosto de gostar. porque quando gosto, gosto muito e depois se perder doi-me tudo por dentro e a pele rasga...

beijos Tulipa.

A.S. disse...

Tulipa...

Na pequena enseada do tempo repousam ainda todos os desejos, todas as aventuras!


BeijO
AL

Paloma disse...

Gostei de seu poema.Identifico-me
com ele. Da mesma forma,que trans-
crevo um poema de Mario Lago, que
diz tudo:
DEVOLVE
Devolve toda a tranquilidade
Toda a felicidade
Que eu te dei e que perdi
Devolve todos os sonhos loucos
Que eu construi aos poucos
E te ofereci
Devolve,eu peço, por favor
Aquele imenso amor

Que nos teus braços esqueci
Devolve,que eu te devolvo ainda
Esta saudade infina
Que eu tenho de ti

(total identificação) Abraços

saudade disse...

Quando parte alguém especial, deixa sempre o vazio, a saudade...
Mas restam essas saudades.... e
seguesse em frente...
Saudade

AC disse...

O vazio, a saudade, o olhar em volta, o recomeçar, a ternura que ficou...

Um bom exercício de escrita.

Bjs

Maria disse...

Excelente, adorei!
Aproveite ao máximo o fim de semana, sorria para a Vida e ela sorrirá também!

"O sorriso enriquece os recebedores sem empobrecer os doadores."(Mario Quintana)

Bjs do tamanho do infinito
Maria

De Amor e de Terra disse...

Todos os vazios são passíveis de preenchimento. Espera e verás!

Bjs.
M.M.

a disse...

Lindo tecto, sentido.

Tens um desafio no nosso blogue.

Um abraço

AFRICA EM POESIA disse...

Vim deixar um beijinho
É sempre lindo...
Passar por aqui

legalmente loira... disse...

oi amiga,
que aconteceu que desapareceu totalmente
a vejo sempre e hoje tive a coragem de vir perguntar.
sempre tive e tenho um grande carinho por você.
lindo poema tulipa..
As memórias de um tempo por apagar
Quando partiste deixaste o vazio
O vazio que vai e vem solto no vento
Que sopra na agitação de um peito
Ferido pela saudade e abandono.
perfeito.
lindo dia.
bjos.

Ler disse...

Amiga!
A partida é sempre difícil.

Um abraço

Secreta disse...

Espero que o teu coração "sare" r´pidamente.
Um beijito.

AFRICA EM POESIA disse...

Tulipa
nestes jardins proibidos muita mágoa.
Amiga alegria atrai alegria
um beijo

para ti

NEM SEMPRE



Nem sempre o que parece é!
Nem sempre o que se pensa se faz!

Nem, sempre o que apetece se pode fazer!
Nem sempre a vida nos deixa fazer o que queremos!

Nem sempre o que luz é ouro!
Nem sempre estamos, quando estamos!

Nem sempre somos, quando somos!
E sendo assim...

Neste mundo o que muitas vezes parece, não é nada!
É apenas ilusão e miragem!...

Porque nem sempre...
O que parece é!...

LILI LARANJO

legalmente loira... disse...

amiga, que bom que seja somente isto.
fico feliz em recebe-la.
lindo final de semana com bjos.