30 outubro, 2009

Mal-entendidos

A vida está cheia deles: Mal -entendidos, palavras ditas que não foram entendidas, coisas triviais , coisas importantes...vidas feitas e desfeitas por mal-entendidos.

Na vida, há livros que lemos por prazer e há outros com os quais queremos aprender a não criar " mal entendidos" nesta sociedade cada vez mais selectiva e exigente.

 Este  livro é mais uma tentativa para   tentar encontrar respostas, para aprender a lidar  principalmente contigo....meu filho!

" Para muitas crinças a sua história pode não terminar bem , e não viverem felizes para sempre(...)" .
" Cada criança é uma história por contar . Por vezes o Capuchinho Vermelho perde-se no bosque e não há beijo que resgaste a Bela Adormermecida" ( in Introdução)

No que depender de mim não te vais perder nesta selva que é a vida e terás sempre um beijo para te acordar do teu mundo....por mais cansada que esteja e às vezes sinta que já esgotei todas as estratégias...mas há sempre mais uma...

Um abraço, um livro interessante para quem se preocupa com o dia de amanhã...
Tulipa

21 outubro, 2009

escuridão e silêncio


Assim me sinto uma àrvore que teima em ficar de pé...solitária...na escuridão , no silêncio da noite fria...
A chuva caí lá fora, o vento balanceia e eu entregue aos meus medos , dúvidas e anseios...na solidão da noite....mantenho-me de pé!

Amanhã é um novo dia e a luz tira-me da escuridão...mas no interior ela continua.....
E vai solta por aí, colada em mim...
 Mas amanhã é um novo dia....


um poema escrito algum tempo , mas que parece actual...

A noite escureceu


A chuva cai,

A tristeza habita em mim

Preocupações,

Medos , angústias

Dúvidas

Palavras que saem

E ferem

Sorrisos que se escondem

Em lágrimas perdidas

Às vezes fico perdida

Sem saber por onde caminhar

Por onde seguir

Perdida nas dúvidas

Nos imprevistos na vida…



Olho a noite escura

Que parece sentir a minha dor

E se colocou de luto

Para comigo em silêncio

Esconder a tristeza!



Tenho tanto trabalho

Não consigo fazer

Aptecia-me parar um pouco

Não posso

Queria ter paciência para vocês

Não sou capaz

Queria entender o teu sofrer

E ter sempre um abraço apertado

Mas calo o que sinto

E deixo sair palavras…perdidas…

um abraço tulipa


09 outubro, 2009

casinha à beira-mar...





Quero uma casinha pertinho do mar

Lá, escrever o que sinto

Ler,  a olhar o azul

Esperar quem  desejo

Rever quem fui perdendo.



Quero uma casinha pertinho do mar

Onde terei paz
Paz que vem em cada onda

E se desfaz no abraço com areia



Na areia irei correr, caminhar

Parar o tempo

No sussurrar do mar

Pensar no que já vivi

No que ainda ou viver.



Quero uma casa pertinho do mar

Junto dos meus livros

Da minha música

Pensamentos

Com a saudade do que fui

Na esperança do que serei



Só quero viver no silêncio de mim

Abrir a porta a cada

Ao sonho e silêncio

Há paz e até à solidão

De mim

E ficar a olhar o infinito

Agarrar cada minuto

Cada momento

No abraço de um amigo.

Ou no abraço de “mim”

De ti…

Do vazio…

um abraço
 tulipa

28/05/09

04 outubro, 2009

afinal saudade é...

SAUDADE  ...é quando o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue."

Sinto saudades do que já vivemos  e que teimamos em deixar fugir...sem conseguirmos que o passado volte...
Ele não volta...porque não  conseguimos construír um presente mais sólido, mais confiante...sem medos ou receios...nem palavras que ferem...

Tenho saudades de ti....

Hoje mal vi o dia lá fora...aqui estou na minha solidão de trabalho...e deixo a lembrança acontecer...


um abraço
Tulipa