29 agosto, 2009

da próxima vez...

Costa Nova, 28/08/09


Neste fim de Verão e de férias
Músicas que nos fazem viajar ou sonhar…
Escolhi esta música da “ Próxima vez” porque me recorda um momento da minha vida…em que eu deixava o meu lugar , a minha cidade, refugiada em mim, para viver uma nova vida, uma vida diferente…deixei recordações…trouxe memórias , as janelas não se abriram para me ver passar …algumas até se fecharam…mas há sempre uma próxima vez…e deixei cair muitas histórias…e outras que trouxe comigo…quando voltei à minha terra…e as janelas se foram abrindo devagarinho...
um abraço
Tulipa
" Da próxima vez"

As ruas da minha
os olhos de encanto
Para te ver passar
As pedras calaram os passos
E as casas abriram janelas
Só p’ra te ouvir cantar
Porque há muito, muito tempo
Não vinhas ao teu lugar
Ninguém sabia ao certo
Onde te procurar
Da proxima vez
Não vás
Sem deixar destino ou direcção
Se houver proxima vez

Não esqueças
Leva contigo recordação
E um beijo pendurado
Ao peito do teu coração
Quisemos saber como estavas
Se a vida tinha tomado
Bem conta de ti
Ou se a vida teve medo
E eras tu que a levava
Refugiada em ti
Cada verão que passava
Sentiamos-te chegar
Como era possível que o sol
Se atrevesse a brilhar
Deves trazer tantas histórias
Tantas que algumas ficaram
Caídas por aí
Outras eu tenho a certeza
O teu fogo na alma queimou
Deixaram de existir
Só queremos saber se és a mesma
Que vimos partir
Não existe mundo lá fora
Que te possa destruir

24 agosto, 2009

não sei como chegar a ti...

Concerto 23/08/09




As luzes acenderam-se o espectáculo começou..
Os acordes afinados com uma presença
Bonita num palco cheio de magia e som...
Muitas foram as música que desfilaram,

Quase todas troteadas pelas centenas de pessoas

que te foram ouvir..
Músicas que se sentem


Poderia ter escolhido outra,
Mas esta é muitas vezes o que sinto

" Não sei como chegar a ti" E a tantas pessoas...
Às vezes não sabemos como chegar alguém...ou algum lado...

Tudo parece tão distante ...
Tão ausente...



" Não sei como chegar a ti"


Estás aqui, mas tão ausente
Junto a mim, mas tão distante!

O teu beijo já não é igual

Apagou-se o fogo no teu olhar

Estou nos teus braços mas afinal

Estamos tão distantes como o céu e o mar.


Eu não consigo chegar a ti,

Não posso chegar a ti,

Não sei como chegar a ti !




Há em ti uma tristeza

De quem já não tem certezas

O teu corpo está ao pé de mim

O teu coração noutro lugar

No teu mundo já só há um fim

E eu não tenho como te fazer voltar


Eu não consigo chegar a ti,

não posso chegar a ti,

não sei como chegar a ti.


um abraço tulipa

18 agosto, 2009

as pessoas são como livros...




As pessoas que passam pela nossa vida são como livros, em especial aquelas que acabaram por deixar marcas no folhear do conhecimento, marcas de amizade, de carinho, de amor, ou até aquelas que não tivemos tempo de ler até ao fim, fica sempre a dúvida de como seria o resto do livro, o fim das personagens, as histórias vividas e sonhadas…
Há livros grandes, profundos, superficiais, de humor, de medo…logo temos de os aprender a ler e a distinguir as sensações que nos provocam.
Alguns lemos e arrumámos na prateleira, não fizeram história ou tivemos medo do fim e abandonámos a meio, outros lemos até ao fim e provocaram mágoa, tristeza, dor…mas esses jamais serão esquecidos…mesmo que nunca lhe voltemos a tocar, mas há momentos em que vêm à memória como uma avalanche de emoções e lembranças…numa mistura de sentimentos…
Há livros que têm um cantinho especial na estante, mesmo que alguém os tire do lugar nunca lhe perdemos o rumo, ou pelo menos conhecemos o seu conteúdo e com sensibilidade recordamos cada página, cada momento, porque nos fizeram rir, sonhar, acreditar, fizeram-nos sentir tão bem ao lê-los…basta percorrê-los com um olhar…são livros que deram alegria à vida, cheios de histórias e recordações…embora no fim haja um sabor de tristeza, porque a história não terminou como desejámos…
Há os livros que nos acompanham para todo o lado, acompanham-nos no quarto, em cada passeio, em cada momento de espera ou ansiedade…são os companheiros de uma vida , ou momentos …
Há livros que jamais poderão ser recuperados, perderam-se nos caminhos da vida, só pode ser recordados…como uma ténue lembrança, mas dificilmente voltaram a ser relidos…
Há pessoas que se apegam apenas a um livro ou dois na na vida, tem medo de folhear outros, com medo de conhecer outros mundos, outras páginas outras cores, outras histórias, outros idiomas, outros sentires, outras formas de ver a vida, outras paixões…então acomodam-se e ficam sempre a folhear as mesmas páginas gastas e entristecidas pelo tempo…que já não dão alegria, nem paixão ao serem lidas…mas têm medo da mudança…a mudança provoca dúvida…uma dúvida que muitos têm medo de viver….
O livro que agora lemos é o livro da vida, conhecemos partes da história, as personagens, os locais da acção, as lutas, os sonhos, os amores, as vitórias e derrotas…mas não sabemos o fim...nem adianta tentar avançar umas páginas porque tudo é tão incerto…tudo muda de repente…é um livro ainda aberto…que além de ser lido, também é escrito…com sorrisos, lágrimas, medos, vitórias e derrotas, amores e perdas…até que um dia parece o fim dos quais fomos autores…mas tantas vezes de uma forma involuntária…era tão diferente o fim desejado…mas perdemo-nos nos livros que lemos e não lemos… e o livro terminou com a sensação que tanto ficou por viver…
Entretanto li mais um livro que irá ficar retido na memória “ Toque de Veludo” um livro de histórias proibidas mas vividas, o primeiro beijo, o primeiro toque, o primeiro abraço, o medo, as juras…e tal como na vida…nem tudo é para sempre…. Mas há sempre outros livros que acabam por se abrir mesmo depois de muito sofrimento… e outros que ficaram entreabertos num tempo infinito…acabam por se fechar às vezes de forma inesperada.
Neste momento ainda não ando a ler nenhum novo livro, falta de tempo para ir comprar.
Um abraço

Tulipa

Algarve, 11 / 08/09

11.15


01 agosto, 2009

acompanhem-me....



Perdi-me na caminhada
Não sei para onde vou...
Nem onde comecei...
Vou parar no silêncio
para dar tempo ao tempo
e ele me ensine o rumo...





Está na altura de fazer uma pausa
para ter tempo para o tempo
que não tenho...
Vou seguir o meu caminho
acompanhem-me...
Para que não me perca
No labierintos da vida...
E
para que um dia
saiba o caminho de regresso
A estes jardins ....

um abraço
até já

tulipa






tulipa