19 maio, 2009

à procura do " EU"




Era uma vez…há muito tempo…quase poderia ser uma história para crianças…daquelas com muitas peripécias e final feliz! Só que não é um livro para crianças…embora até podemos dizer que tem um final feliz …encontrou o EU do qual fugia sem o saber…!
Um livro simples, pequeno que li no intervalo de um livro para o outro… “ O Cavaleiro da Armadura Enferrujada “.
Quantos de nós não se escondem atrás de “armaduras” para mostrar aos outros aquilo que esperam de nós?
Tantas vezes atribuímos aos outros as culpas dos nossos fracassos e nunca nos consideramos culpados pelo fracasso dos outros, mesmo que nos tenham dado sinais de que precisavam de nós….continuámos o nosso caminho…sempre na tentativa de sermos os melhores…ou indiferentes a um pedido de ajuda que não percebemos, ou fingimos não ver…
Tentamos dar sempre a “ uma vida melhor “ aos que amamos, porque pensamos que assim serão felizes…mas muitas vezes não vimos a solidão no seu olhar…porque não temos tempo para reparar, olhar, ver quem nos rodeia…
Caminhamos, dias e dias, sempre na tentativa de sermos melhores, termos sucesso, sermos reconhecidos…muitas vezes só o fazemos porque temos medo de estar sozinhos. Temos medo da solidão de estarmos apenas acompanhados por nós próprios!
Andamos numa roda-viva de um lado para o outro…que não temos tempo para atravessar o “ Castelo “ do Silêncio, do “ Conhecimento “ e o “ Castelo da Determinação e da Coragem”…e encontrarmos o EU perdido nas aventuras e desventuras da vida…
Era uma vez um cavaleiro que gostava tanto da sua armadura que nunca a tirava e quando o quis fazer já não foi capaz…teve que percorrer um longo …longo caminho…
Será que nunca nos sentimos presos na nossa própria armadura?.. Quando a quisemos tirar já era tarde demais…era como se ficássemos despidos no meio da rua…perante o olhar curioso e crítico de todos…
um abraço tulipa

13 comentários:

clic disse...

Quanto a mim, o desafio maior é mesmo "tirar a armadura" perante o nosso próprio olhar... :)

abraço

Pedrasnuas disse...

CONCORDO CONTIGO CLIC...
O PROBLEMA NÃO SÃO OS OUTROS...ATÉ DÁ JEITO PARA ALIVIAR A NOSSA COBARDIA ATIRAR COM A CULPA PARA CIMA DOS OUTROS...NA REALIDADE ACOMODAMO-NOS E NÃO TEMOS CORAGEM PARA MUDAR O RUMO DA VIDA,JÁ NÃO SABEMOS VIVER DE OUTRA FORMA..
CUSTA MUITO RECOMEÇAR,DÁ MUITO TRABALHO!!!

ABRAÇO SENTIDO TULIPA

as velas ardem ate ao fim disse...

Acho que todos já o fizemos...ou pelo menos já tentamos.é dificil não tentarmos nem que seja para tentarmos viver melhor.

um bjo

g disse...

As armaduras colam-se-nos como se de uma outra pele se tratasse, e mesmo que por vezes elas abanem, raramente a retiramos.

Bjs nosssos

simplesmenteeu disse...

Sei, ou julgo saber, do que falas.
Muitas vezes, tirar a armadura onde nos escondemos e acomodamos..., mais que ficar despido, é ficar em carne viva...

Mas, todos usamos armaduras, mascaras ou disfarces.
Raros são os capazes de se assumir, tal como são, diante de si ou/e diante dos outros.

Um beijo

Fernanda disse...

O dificil muitas vezes não é despirmo-nos ou tirar armadura que nos esconde,...mas sim, continuarmos despidos e sem armadura...
Temos sempre o nosso lugar solitário,...aquele onde só nós estamos e só nós sabemos onde fica...
É dificil alguém entrar aí,...até, porque também nos faz falta e muitas vezes nos proteje.
O importante mesmo,...é sabermos dar o melhor de nós aos outros, sem falsos designios.

Gostei de ler..:)

Um abraço

O Profeta disse...

Este mistério da luz
Incessantes são as marés da vida
Este tempo que corre firme em frente
Não há lugar na lembrança para a partida

Porque da próxima vez
Quero ser palhaço e brincar com a dor
Aprisionar a tristeza em balões de cor
Soltar as cordas que prendem o amor

Uma esplendorosa quinta feira



Mágico beijo

Secreta disse...

Quantas vezes , nós proprios, fingimos não ver o que realmente somos!
Beijito.

Madalena disse...

Da armadura já falaram acima. Não gosto de frepetições. :)

De livros para crianças ou não digo: não se deviam escrever livros para crianças mas livros sem esquecer que se foi criança.

Abriu-me o apetite para este.

Obrigada.

Madalena disse...

gralha - * repetições.

:)

so lonely disse...

também eu me procuro
sem esperança de

me

encontrar nesta vida.

Cöllybry disse...

A amior parte do tempo se anda a fugir do proprio Eu,no rascunho em nossa Alma, de de nada adianta fugir, está sempre à espreita...


|)’’()
| Ö,)
|),”
|Terno beijo


ölhår_Îñðîscrëtö...Å ¢µ®¡ö§¡dädë

*Cöllyßry

Maria Dias disse...

Olá!Tem alguém aí?Posso entrar neste belo jardim proibido?rs...

Bem vc que me ouve e deixa seus portões abertos,queria deixar meu recadinho aqui.Primeiro queria dizer q adorei este jardim e gostei muito da dica do livro...E tb gostaria de convida-la a vir até o meu jardim(sim eu tb tenho um jardim!rs...).Tenho dois blogs um fala do meu interior(de como me sinto e vejo o mundo...O meu Avesso)o outro trata das flores,do meu caminho até elas...E é de ´lá q venho(do meu jardim)gostaria q fosse até lá quem sabe teremos muito o q trocar...

Abraços

Maria